O mesmo velho erro?

Na data de hoje o STF julgará importantes questões: trata-se da aplicação e extensão do artigo 316, parágrafo único do Código de Processo Penal bem como saber se tem o Presidente do STF poderes para suspender liminar em Habeas Corpus concedida por outro Ministro do STF.

Desde a decisão do Ministro Marco Aurélio tenho observado movimentação nas redes sociais e whatsapp com argumentos exóticos: “os presos todos serão liberados”; “isso é coisa para defender bandido”; “agora o líder do crime organizado está solto para tocar o terror” e por aí vai.

O que me assusta é que este método é continuamente utilizado para manipular a população em favor de determinada tese. Lembro que a Lava Jato tinha por uma das linhas de atuação utilizar a imprensa para ganhar o apoio da população como se viu em texto publicado pelo Ministro Moro quando ainda era juiz.

Que a população ceda a este tipo de apelo é natural e compreensível. Trata-se em geral de leigos que são, em matéria de direito, altamente manipuláveis (assim como nós do direito somos altamente manipuláveis em áreas que não são da nossa expertise).

No entanto o que me assusta e incomoda é que pessoas formadas em direito cedam a este tipo de manipulação. Cedam ao medo como forma de raciocínio.

Se admitimos que o direito é ciência, devemos pensar nele com princípios, regras e como um sistema que merece interpretação racional e não baseado no medo.

Cada um pode ter a posição que entender mais adequada sobre o artigo 316 mas que o faça em argumentos racionais e não baseado na manipulação e no medo. Ou então que saiba que está sendo manipulado e aceite por convicção ideológica ser manipulado.

Autor: guimadeira

Sou um cara de fé que acredita em sonhos. Fã incondicional de Shakespeare, Paulo Coelho e de Gabriel Garcia Marques, também adoro Neil Gaiman e Steven Spielberg. Ah, também tenho vários livros publicados, sou mestre e doutor em processo penal pela USP e Juiz de Direito. Corredor amador.

4 comentários em “O mesmo velho erro?”

  1. Infelizmente o Sr. não está reinventando a roda.
    Esse texto é direcionado aos formados em direito.
    Esse raciocínio deveria ser premissa para opinião, mas, atualmente a grande maioria não pensa é só segue.

    Obrigado por lembrar-nos do raciocínio científico

    Curtido por 1 pessoa

  2. Obrigada pelo texto, professor. Estou fazendo uma análise sobre esse caso à luz da ideia de Ministrocracia. Boa parte das informações que encontro no internet sobre o caso focam no mérito, de maneira distorcida, como bem apontou, em vez de atentar para a ação sem precedentes de interferência do presidente na decisão de outro ministro. É muito assustador como o debate sobre encarceramento no Brasil chegou a esse ponto, atingindo a elite técnica e intelectual que ocupa o STF. Se a lei é clara no que diz respeito à soltura, o malabarismo jurídico só serve para gerar mais insegurança e reforçar certos vieses. É curioso que ninguém pergunta como que o André do Rap consegue estar foragido mesmo depois dessa repercussão em torno do caso. Como as pessoas naturalizam tanto a incapacidade da polícia, da segurança pública em geral, de investigar e fiscalizar. Eu acho isso muito complicado. Como simplesmente os ministros se curvam ao que a opinião pública pensa ou deixa de pensar? E o que me preocupa nessa controvérsia toda é que o nome da instituição é jogado na lama e aos lobos porque só alimenta os argumentos pelo “fim do STF”.

    Curtir

Deixe uma resposta para Diony Nobre Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s