Duração razoável do processo?

Estaria o termo “processo” no inciso LXXVIII do art. 5 da CF errado?

O ilustre professor e amigo Vinicius Marçal (@vvmarcal) perguntou-me no twitter se o termo processo que consta do artigo 5, LXXVIII seria o mais técnico. Pergunta-me se não seria o correto o uso do termo “procedimento”?

O artigo 5, LXXVIII foi incluído pela EC 45 e se encontra com a seguinte redação: “LXXVIII – a todos, no âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável

duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação”.

A duração

razoável do processo não é exatamente inédita em nossa legislação. Aparece,

pela primeira vez, na Constituição de 1934 com a seguinte redação: art. 113, 35:

“a lei assegurará o rápido andamento dos processos nas repartições

públicas”.

Percebe-se já nesta redação a ênfase do legislador no uso de processos como sendo o objeto da duração razoável do processo.

Nos EUA o termo vem com a 6ª emenda que estabelece o “right to a speedy trial”: aqui destaca-se a ideia de julgamento em prazo razoável e não o uso do termo processo.

No âmbito das convenções e tratados internacionais destaco a convenção europeia: art. 6.1 – “qualquer pessoa tem direito a que a causa seja examinada, equitativa e publicamente, num prazo razoável por um tribunal independente e imparcial, estabelecido pela lei, o qual decidirá, quer sobre a determinação dos seus direitos e obrigações de caráter civil, quer sobre o fundamento de qualquer

acusação em matéria penal dirigida contra ela”.

Destaco também a convenção americana de direitos humanos: art. 8, 1: Toda pessoa terá o direito de ser ouvida, com as devidas garantias, dentro de um prazo razoável por um juiz ou tribunal competente independente e imparcial, estabelecido por lei na apuração de qualquer acusação penal formulada contra ela, ou na determinação de seus direitos e obrigações de caráter civil, trabalhista,

fiscal ou de qualquer outra natureza.

Aí surge a questão: afinal de contas não seria mais técnico que o legislador utilizasse o termo razoável duração do procedimento? Creio que não seria errado o uso do termo “procedimento” no entanto o uso do termo “processo” parece ampliar a proteção.

Parto aqui do conceito de processo a partir de Élio Fazzalari e de Cândido Rangel Dinamarco: o processo é visto como “procedimento realizado mediante o desenvolvimento da relação entre seus sujeitos, presente o contraditório” (Teoria Geral do Processo, 24ª edição, p.305, Dinamarco et allii).

Com o uso do termo processo o legislador constituinte parece reforçar a ideia de que a duração razoável do processo é dever do Estado e que todos os intervenientes estão nela inseridos e com ela devem estar comprometidos.

Esta é a forma como vejo o tema.

Gosto muito de saber a opinião dos leitores. Deixe sua opinião abaixo.

Autor: guimadeira

Sou um cara de fé que acredita em sonhos. Fã incondicional de Shakespeare, Paulo Coelho e de Gabriel Garcia Marques, também adoro Neil Gaiman e Steven Spielberg. Ah, também tenho vários livros publicados, sou mestre e doutor em processo penal pela USP e Juiz de Direito. Corredor amador.

3 comentários em “Duração razoável do processo?”

  1. Ainda que a tecnicidade não seja o forte do legislador, acredito e concordo que o termo “processo”, inserido no art. 5•, inc. LXXVIII, da CF, engloba o procedimento atinente à ampla defesa. Entendo que o legislador quis ressaltar o dever do Estado a rápida tramitação do processo sob pena do esquecimento do delito e também para evitar que o “processado” viva com o peso de um processo por um longo período. Pensando aqui, vejo que os dizeres do nosso inc. LVVXXIII chegará ao mesmo lugar que a 6a emenda norte americana. A ideia de uma rápida tramitação processual, visa, logicamente, a finalização de determinado processo ou seja, o seu julgamento, com a declaração do trânsito em julgado. Ao meu humilde pensar, vejo que a finalidade do nosso inciso e a emenda americana visam o mesmo fim, utilizando apenas palavras distintas, mas encaixadas em um mesmo contexto. Ainda que utilizemos, no criminal, o termo procedimento para aqueles atos antes do oferecimento da denúncia por parte do MP (procedimento investigativo, investigatório etc.) e processo aos atos posteriores (que de fato engloba a ampla defesa), tenho que o termo processo seja mais forte do que o procedimento, embora a redação do inciso poderia conter ambos os termos. Grande abraço. Acompanho sempre suas postagens!

    Curtir

  2. Conforme dito pelo Leonardo, a tecnicidade não é o forte do legislador. Mas situação pior do que as atecnias legislativas é falta de aplicação da norma.

    Curtir

  3. Com razão, professor Madeira.
    “Processo” é ente abstrato e genérico; expressão usada até fora do direito (p.ex.: processo produtivo).
    “Procedimento” relaciona mais com “rito” processual, vale dizer, inquisitorial, acusatório, comum, especial, executório etc.

    Curtir

Deixe uma resposta para Erika Cristina Batista Morais Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s